Guarulhos-Noticias/Gng Guarulhos-Noticias/Gng Gru Guarulhos News Gru Guarulhos Barcelona passa sufoco, mas elimina o PSG

Barcelona passa sufoco, mas elimina o PSG

Lionel Messi estava apreensivo, até mesmo agoniado, roendo as unhas no banco de reservas do Camp Nou. Recuperando-se de um problema muscular, o craque argentino foi relacionado para a partida, mas não poderia encarar os 90 minutos. Na verdade, ficava a dúvida se ele tinha realmente alguma condição de jogo. 

Com o Barcelona precisando de seu líder no segundo tempo, porém, não teve jeito. Ele foi para campo no sacrifício e colocou fogo na partida em um momento de muita pressão do time da casa, que teve muita dificuldade diante do Paris Saint-Germain, mas conseguiu o gol de empate por 1 a 1 e eliminou um valente oponente.

Comparando com o ano passado, três semifinalistas se repetem nesta temporada: o Barça e o outro classificado desta quarta, o Bayern de Munique, ao lado do Real Madrid, que conseguiu a vaga na terça. A única novidade é o Borussia Dortmund, que substitui o atual campeão Chelsea.

Domínio parisiense?
O Paris Saint-Germain precisava da vitória no Camp Nou – ou de um empate, no mínimo, de três gols – e não podia se contentar em apenas se retrancar, temendo seu poderoso adversário. Quando o time da casa tinha a bola, seus jogadores se recuavam, claro, procurando fechar espaços. Uma vez retomada a posse de bola, porém, os visitantes procuravam sair jogando, para, depois, adiantar sua marcação, tentando pressionar os defensores do Barça.

Com boa movimentação, técnica e vocação, Ezequiel Lavezzi e o jovem Lucas deram trabalho quando carregavam a bola, criando situações interessantes pelas extremidades do campo, ainda mais com Zlatan Ibrahimovic chamando a atenção pelo centro, dando trabalho para o improvisado Adriano, lateral deslocado como quarto zagueiro. Os passes longos de Marco Verratti também funcionaram.

Da metade do primeiro tempo até seu fim, o PSG se fez ainda mais presente no campo ofensivo, exigindo boas defesas do goleiro Victor Valdes, enquanto Salvatore Sirigu já não era mais tão exigido assim. Com Cesc Fábregas no lugar de Messi, ao mesmo tempo que o placar também lhe era favorável, Barça não era tão incisivo como o de costume.

E a segunda etapa começou da mesma forma, com o gol saindo, porém, numa arrancada deJavier Pastore, que estava muito mais dedicado a marcação do que ao apoio. Foi numa combinação dele com Ibrahimovic, porém, que saiu o gol. Ele dominou praticamente na linha do meio-campo e tocou curto para Ibra. O sueco devolveu com rapidez e precisão, lançando o argentino nas costas da zaga catalã. Pastore teve muita calma para invadir a grande área e bater na saída de Valdez, acertando o canto esquerdo, aos 50 minutos.

Ao Barça, a partir daí, não restava nenhuma opção a não ser procurar o gol de empate de qualquer maneira, iniciando uma forte pressão. Sem estar nas suas melhored condições, Messi foi para campo, substituindo Fábregas. E o craque argentino foi importantíssimo para mudar o placar para 1 a 1. Recebendo na intermediária pelo centro, ele limpou a jogada e achou David Villa no centro da área. O atacante estava muito marcado, mas percebeu PEdro se aproximando vindo de trás e deu um leve toque na bola. Seu companheiro chegou batendo, para acertar o canto esquerdo de Sirigu.

Já sem muita perna para apertar a marcação, o PSG não conseguiu reagir adequadamente. O gol de empate e a presença de Messi também deram tranquilidade aos catalães, que são os primeiros a jogar as semis da Liga dos Campeões por seis temporadas consecutivas.

A outra vaga
O Bayern de Munique protegeu a vantagem conquistada na Alemanha no primeiro tempo, após um triunfo por 2 a 0. Na segunda etapa, repetiu o placar e eliminou a Juventus, atual campeã italiana. Essa é a primeira vez que dois clubes alemães alcançam a semifinal do torneio continental na mesma temporada.

A vitória na Baviera foi realmente fundamental. A Juve não perdia em jogos da Liga desde dezembro de 2009. E o único que time que conseguiu superar um revés por 2 a 0 no jogo de ida pelos mata-matas na história da competição foi o Barça, nesta edição, numa grande virada para cima do Milan pelas oitavas de final.

A equipe de Turim precisou assumir a iniciativa, estratégia com a qual não está necessariamente acostumada, sem conseguir superar a linha defensiva do Bayern. Até que, no segundo tempo, o croata Mario Mandzukic anotou aos 64 minutos, complicando de vez as aspirações dos italianos. No finalzinho, o peruano Claudio Pizarro ainda teve tempo para marcar o segundo.

TAGS: