Guarulhos-Noticias/Gng Guarulhos-Noticias/Gng Gru Guarulhos Home GnG Gru Guarulhos Inclusão de federações em repactuação de dívida de clubes gera polêmica

Inclusão de federações em repactuação de dívida de clubes gera polêmica

Seminário na Câmara discutiu um anteprojeto de refinanciamento das dívidas dos times de futebol, que somam R$ 4 bilhões

Um anteprojeto de repactuação das dívidas dos clubes foi apresentado nesta quarta-feira (24) durante o seminário “Gestão financeira e formação de atletas nos clubes de futebol”, promovido pela Comissão de Turismo e Desporto. No entanto, a possibilidade de inclusão de federações e confederações esportivas entre os beneficiados gerou polêmica. O Programa de Fortalecimento dos Esportes Olímpicos, já apelidado de Proforte, prevê a troca de parte da dívida dos clubes em investimento na formação de atletas e iniciação esportiva da população.

O autor do anteprojeto, deputado Vicente Candido (PT-SP), argumentou que hoje os clubes acumulam dívidas “impagáveis” e o Proforte vai permitir uma repactuação legal e a recuperação do crédito tributário da União com benefício direto para o esporte.

“Os clubes poderão pagar (suas dívidas) fazendo aquilo que é a função dele: formando atletas e também colocando gente para fazer esporte, não necessariamente para o profissionalismo, visando à saúde pública”, afirmou Candido.

Estima-se que só com o INSS, FGTS e Imposto de Renda, os clubes devam cerca de R$ 4 bilhões. Para o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Melo, essa proposta representa um marco na modernização no futebol brasileiro. “Um projeto como esse pode ser equivalente para o futebol brasileiro como foi, por exemplo, a Lei de Responsabilidade Fiscal para os estados e municípios. Seria uma maneira de mudar a governança dos clubes”, disse.

Protestos
No entanto, a possível inclusão de federações e confederações esportivas entre os beneficiários do Proforte gerou protestos. O presidente da Comissão de Turismo, deputado Romário (PSB-RJ), criticou alguns pontos da proposta. “Eu me coloco hoje totalmente contrário a esse anteprojeto e espero que o Ministério do Esporte o repense. Para melhorar definitivamente o futebol brasileiro, essa mudança tem que começar a vir da entidade maior”, afirmou Romário, referindo-se à Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

O secretário nacional de futebol e defesa dos direitos do torcedor do Ministério do Esporte, Toninho Nascimento, demonstrou surpresa com a inclusão das federações e confederações esportivas na lista de beneficiários do anteprojeto. Mas pediu a Romário para que não fique totalmente contra a proposta.

“A minuta do (anteprojeto) que vou apresentar ao ministro Aldo Rebelo fala exclusivamente em clubes. Não há confederações nem outras instituições. A ideia do Proforte é de fortalecimento dos clubes”, garantiu Nascimento. Ele afirmou que o ministério avaliará a possibilidade de o governo encampar a proposta para enviá-la ao Congresso na forma de medida provisória, que tem tramitação mais rápida.

Na avaliação do vice-presidente da CBF para o Centro-Oeste, Weber Magalhães, a proposta deve beneficiar clubes e federações. “Tem que se aproveitar o momento de copas (das Confederações e do Mundo) para a reestruturação do esporte”, defendeu.

Fundo federal
O texto do deputado Candido, que vem sendo discutido com a CBF e o Ministério do Esporte e foi inspirado no Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior (Proies, Lei 12.688/12), também prevê a criação de um fundo federal de apoio aos esportes olímpicos com recursos da Timemania e da raspadinha da Caixa Econômica Federal.

Se virar lei, a proposta garante um ano de moratória para as dívidas dos clubes e, posteriormente, o pagamento poderá ser feito em até 240 prestações mensais.

Reportagem – José Carlo

TAGS: