Justiça ouvirá ex-secretária de Néstor Kirchner sobre caso de lavagem

    0
    478

    A ex-secretária do ex-presidente argentino Néstor Kirchner (1950-2010), Miriam Quiroga, será chamada a depor pela Justiça, após ter declarado conhecer um suposto esquema de lavagem de dinheiro que operava a partir da Casa Rosada, sede do governo da Argentina.

    Ontem, o promotor Gerardo Pollicita pediu ao juiz Julián Ercolini que Quiroga seja incluída como testemunha no caso que investiga a atuação do empresário Lázaro Báez, principal suspeito de lavar o dinheiro ilícito da família Kirchner.

    “As notas chegavam em bolsas”, disse Quiroga ao se referir ao dinheiro obtido por meio de obras superfaturadas, numa operação que envolveria funcionários do governo e empresários aliados ao kirchnerismo.

    As denúncias foram feitas pelo programa do jornalista Jorge Lanata, transmitido nos domingos à noite pelo canal aberto 13, do grupo Clarín, cuja posição crítica ao governo o tornou um dos maiores inimigos de Cristina.

    “Resolvi falar porque em algum momento essas coisas tinham de vir à tona”, disse Quiroga, que foi demitida por Cristina em 2010, após a morte de Kirchner, em meio a boatos de que havia mantido uma relação amorosa com o ex-presidente.

    Segundo o programa de Lanata, as notas eram levadas da Casa Rosada à província de Santa Cruz, reduto dos Kirchner, de onde saíam em aviões do empresário com destino à Suíça. A informação sobre o trajeto do dinheiro foi levada a Lanata por Leonardo Fariña, um ex-testa de ferro de Báez.

    As denúncias, que vêm sendo ampliadas a cada domingo, envolvem, ainda, o ministro do Planejamento, Investimento Público e Serviços, Julio De Vido.

    Ele é acusado de beneficiar empresas de Báez na construção de obras públicas e de pressionar empresários a vender seus negócios a Báez, hoje um dos homens mais ricos da Argentina.

    A deputada oposicionista Elisa Carrió pediu que as novas denúncias sejam adicionadas à causa já aberta por pressão dela em 2008 para investigar o enriquecimento ilícito dos Kirchner.

    O patrimônio familiar do clã governante do país cresceu 800% desde 2003, ano em que Néstor assumiu. As tentativas de julgar o casal por isso, porém, ainda não tiveram desfecho.

    Cristina se pronunciou indiretamente sobre o caso. Ela afirmou que, em período eleitoral, é comum os meios de comunicação explorarem denúncias de corrupção. Em seu programa, Lanata tem pedido: “Se estamos publicando dados falsos, presidente, por favor nos desminta.”

    Facebook Plugins

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.