Guarulhos-Noticias/Gng Guarulhos-Noticias/Gng Gru Guarulhos Home GnG Gru Guarulhos Estudiosos reconhecem Mateus como um grande escritor.

Estudiosos reconhecem Mateus como um grande escritor.

Todos os estudiosos reconhecem que Mateus foi um grande escritor. As discordâncias quanto á escritura deste evangelho surgem em virtude do grande número de identificadores estruturais que se sobre põem e competem entre si, de sorte que parece impossível estabelecer um consenso sobre a importância relativa de cada um.

Se examinarmos a estrutura do livro como um todo, deixando de lado algumas propostas muito excêntricas, existem três teorias predominantes.

  1. Algumas identificaram uma estrutura geográfica relacionada com o evangelho prólogo e está ligado a 3.1 -4 .11(a preparação de Jesus para o ministério) afim de construir uma introdução paralela à de marcos 1.1 -13. Mateus 4.12 —13.58 apresenta Jesus ministrando na Galileia Cf . Mc 14.1 –16.12; Mc 6.13). Esse ministério estende –se ao outro ponto do norte (Mt 14 .1—16.12; mc;6-14—8.26) antes de Jesus começar a se dirigir para Jerusalém (m t21.1-1-25, 46 ; mc 11.1 -13.37 )culmina com sua paixão e ressurreição 9mt26.1—28.20; mc 14. 1 –16 . 8
  2. . Este tipo de análise reflete acertadamente o desenvolvimento cronológico gral do ministério de Jesus e preserva algumas distinções geográficas. Mas baseia –se inteiramente numa seleção de considerações temáticas e não leva em contato os marcadores literários que Mateus nos Deixou. Justamente, porque, Com modificações de pequena monta, esse tipo de análise pode ser a plicado a qual quer dos evangelhos sinóticos, ele não informa quase nada acerca dos objetivos peculiares a Mateus.
  3. 2. Seguindo sugestões feitas por stonehouse, lohmeyer e krentz, kingsburry defendeu a existência de três grandes seções firmemente amarradas ao desenvolvimento criptológico. Dá a primeira o título de Jesus, o Messias (1.1-4.16) segunda: A proclamação de Jesus Messias” (4.17—1616,20);e  a terceira, “Sofrimento , Morte  e ressureição de Jesus Messias” (16.21-28.20).logo após o fim das duas primeiras secções aparecem as palavras decisivas á ttó tóte(apo tote,(Desde  esse tempo “ ), assinalando um avanço no enredo da história . As duas últimas secções contém cada uma três trechos sumariastes (4,23-25;9-3511.1;e 16.21;17,22,23,20;17-1).
  4. Embora tenha conquistado adeptos (e.g.,Kummel), esse esbouço padece diversas fraquezas . Não está inteiramente claro que áttó tóte(apotote)seja do ponto de vista redacional, Tão importante para Mateus que toda a estrutura do livro tenha de girar em torno da expressão; afinal de contas, Mateus a emprega em 26.16 sem qualquer quebra no ritmo da narrativa. Poderíamos argumentar que existe quatro resumo da paixão na terceira seção e não três (acrescente-se 26.2). Nas duas transições estruturais que faz Mateus pode ter sido influenciado mais pelo fato de seguir Marcos do que por quaisquer outras considerações. De qualquer maneira, o esboço proposto desfaz de modo inaceitável a importante passagem relativa a Pedro em Mateus 16. Ao contrário do que sustenta Kngsbury, mesmo o desenvolvimento citológico não é tão claro :a pessoa de Jesus (seção primeira) é ainda o centro da atenção nas seções segunda e terceira (e.g16.13-16; 22.41); dificilmente pode se limitar a proclamação de Jesus á segunda seção, pois dois dos três discursos (caps.18e 24—25) e vários dos entreveros importantes (caps.21—23) estão reservados a terceira seção.

AS estruturas propostas com maior frequência giram em torno da observação de que Mateus apresenta cinco discursos, sendo que cada um dos quais num texto especifico e termina com uma formula que não se encontra em nenhuma outra parte (lit., ”E aconteceu, quando jesus Tinha terminado de dizer estas coisas, que …”9mt 7.,.28-29:11.1 13.53; 19.1 26.1).Vincular narrativas e discursos em cinco pares é uma proposta atraente. Bacon propôs um esquema exatamente assim, chamando as cincos seções de “livros”. 5º livro 1 trata de discipulado (narrativa, caps.3—4; discurso, caps. 5—7); o livro 2, de apostolado (narrativa, 8—9; discurso, 10); o livro 3 do ocultar da revelação (narrativa 11—12; discurso 13); o livro 4 da administração da igreja (narrativa, 14—17; discurso, 18) e o livro 5 do juizo9 NARRATIVA ,19—22; DISCURSO, 23—25 isso deixa Mateus 1 e 2 como preâmbulo e 26—28 como epílogo. O próprio.  Bacon achava que fosse, por parte de Mateus, uma resposta consciente aos cinco livros de Moisés e o cumprimento deles.