Guarulhos-Noticias/Gng Guarulhos-Noticias/Gng Gru Guarulhos Home GnG Gru Guarulhos “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). Muitas pessoas acabam tendo certas dúvidas sobre qual a maneira correta de se interpretar este versículo, pois como conciliar esta passagem com outras, como, por exemplo, “Amei a Jacó, e odiei a Esaú” (Rm 9.13) ou ainda, “Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer” (Rm 9.18)? Embora pareçam ser expressões contraditórias, de maneira breve veremos que longe de disparidade, na verdade, há uma unidade. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

Em primeiro lugar, é preciso considerar que a palavra “amou” pode possuir vários significados: 1. Amar incondicionalmente (“eu amo minha esposa pelo o que ela é”); 2. Um certo tipo de amor específico (“o amor entre pai e filho é sem igual”); 3. Um amor limitado (“amo meus gatos, mas não mais que minha esposa”); 4. Um amor que pune (“o pai disciplina o filho que ama”); 5. Um falso amor (“eu te amo mais do que tudo nessa vida”). “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
 Igualmente “mundo” pode significar várias coisas distintas: 1. O planeta Terra (“o mundo onde vivemos)”; 2. Todo o Universo (“todo o mundo criado por Deus”); 3. Todas as pessoas de todo o mundo (“todos os habitantes do mundo”); 4. Todas as pessoas de determinado lugar (“o mundo reunido em nossa cidade”); 5. Algumas pessoas de determinado lugar (“todo mundo veio ao meu aniversário”)…
Em segundo lugar, as Escrituras dizem, conforme vimos acima, que Deus amou a Jacó, mas odiou a Esaú (Rm 9.13). Quando lemos a narrativa no Antigo Testamento de onde é extraído esta passagem, entendemos claramente que por algum motivo, Deus não desejou salvar Esaú. Entretanto, o próprio Paulo já sabia que alguns irmãos iriam ter dificuldades, e, quem sabe, replicariam dizendo que o Senhor, então, é injusto – ao passo que ele já os responde: “Que diremos pois? que há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma” (Rm 9.14). A resposta das Escrituras para que isto aconteça é: “Pois diz a Moisés: Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece” (Rm 9.15-16). Em outras palavras, Deus que é soberano faz o que desejar com toda a Sua criação (Rm 9.21). “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
Em terceiro lugar, pode surgir a dúvida: “Deste jeito ninguém é responsável por coisa alguma, porque se Deus já decretou quem se salvará, não adianta pregarmos o evangelho ou buscarmos viver piedosamente, afinal, tudo já está determinado.” Paulo também sabia que pessoas teriam este pensamento e disse: “Dir-me-ás então: Por que se queixa ele ainda? Porquanto, quem tem resistido à sua vontade? Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” (Rm 19-20). De modo resumido, Paulo afirma que os homens pecadores e finitos não devem buscar contender com Deus, e sim tão somente O obedecer e buscar progredir em suas responsabilidades (Fp 2.12). “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
Voltemos para a passagem principal que estamos vendo e a dividamos em algumas partes:
 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
1. “Porque Deus amou o mundo” – por si só estas palavras não nos comunicam quem, quantos e onde estão aqueles a quem Deus amou, pois conforme vimos, muitas podem ser as interpretações para a palavra amor e também para a palavra mundo.
2. “de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” – aqui temos a expressão ímpar do Senhor ao afirmar que por certa quantia de pessoas (que ainda não sabemos quem é, vamos aos poucos compreendendo), o Pai enviou Seu único Filho para morrer.
 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
3. “para que todo aquele que nele crê” – neste ponto encontra-se a chave para determinarmos quem são as pessoas pelas quais o Filho morreu: todos aqueles que creram, creem e crerão no Seu nome. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
 
4. “não pereça, mas tenha a vida eterna” – a recompensa, portanto, para este crer, é que os cristãos verdadeiros não irão perecer na condenação eterna, mas sim terão plena vida jubilosa e sem fim ao lado do Senhor. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
O entendimento desta passagem é que Deus amou todos aqueles que creem no Filho de Deus e que são amados por Ele. Todavia, como nem todas as pessoas serão salvas, Deus amou ao mundo (quantidade específica de pessoas) que crê no Seu nome e este são aqueles de quem Jesus diz: “Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito. As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão” (Jo 10.26-28). “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).
Assim, Deus amou os Seus filhos que são regenerados por Ele mesmo, pois só estes ouvem a Sua voz e creem de modo salvífico em Seu Filho.  “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).