Delegado aposentado Romeu Tuma Júnior fala das manifestações passivas

    0
    755
    Foto Robson Silva Moreira
    fOTO POR Robson s Moreira

    Delegado aposentado Romeu Tuma Júnior fala das  manifestações passivas.

    Por /Robson Silva Moreira. Ultimas atualizações 14-01-2014

    Romeu Tuma Júnior fala das  manifestações passivas, e os seus resultados.

    Elas causaram;  Muitos resultados para sociedade do que prejuízo

    Tuma também falou

    Regime  fechado ou semi aberto dos acusado do Mensalão

    Disse que todos teriam que se punidos em sol quadrado, ,”ou seja,”, o que ele  quis dizer é que todos devem assumir suas punições em regime fechado sem direito de ir para casa motivo este é que o dinheiro que foram desviados dos cofres públicos, foram valores em que saiu do bolso do .Povo, (sociedade) isso fez que uma criança não tivesse aceso aos seus devidos direitos devido terem sidos vitimadas, dos seus direitos , também fez menção das faltas de viatura nas ruas.

    Manifestação: 

    Filho falou de algumas circunstâncias que pode atrapalhar as campanha eleitorais   de muitos em 2014 se for pelos cuidados dos manifestantes passivos, os quais foram para as ruas para pedirem melhorias como eleitores, brasileiros, cidadão.Esse,formadores de opinião estudantes dona de casa que ficaram com os olhos fitos nas informações sobre a PEC 37 cujo seria para o, ministério publico não passa a fazer investigação junto com estado, e outros escândalos que surgiram, no de corre do ano de 2013 na camará dos deputados em Brasília, Provavelmente surja muitos efeitos nas eleições de 2014-

    Segue a integra,

    Secretario Nacional de Justiça

    Vida nascimento  13 de agosto de 1960 (53 anos) São Paulo Sp/ Partido PMDB Profissão delegado de policia

    Policial

    Descendente de sírios, Romeu Tuma Júnior iniciou a carreira policial aos 18 anos como investigador, em 1978. Foi Delegado de Polícia concursado da Polícia Civil do Estado de São Paulo, deputado estadual paulista e ocupou o cargo de Secretário Nacional de Justiça (20072010) durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e presidindo, à época, o Conselho Nacional de Combate à Pirataria.2 3 Filho do falecido político Romeu Tuma e irmão de delegados e políticos, Tuma Júnior foi beneficiado pela carreira do pai. Aposentou-se do cargo de Delegado Classe Especial (topo da carreira) em 2013, com 35 anos de serviço.4

    Político

    Formado em Direito, foi deputado estadual entre os anos de 2003 e 2007. Ocupou o cargo de corregedor parlamentar e foi presidente das comissões de Segurança Pública e de Defesa dos Direitos do Consumidor na Assembléia Legislativa paulista.

    Denúncias

    Como denunciado

    Diálogos interceptados pela Polícia Federal indicavam uma suposta articulação do Secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, para burlar um concurso público. Irritado com a reprovação do namorado da filha para escrivão da Polícia Civil do Estado de São Paulo, fazia lobby em favor do “futuro genro”, com o policial Paulo Guilherme ‘Guga’ Mello, seu braço direito no Ministério da Justiça.5

    Investigações da PF indicavam que o gabinete de Tuma Júnior supostamente funcionava como “central de favores” para parentes, amigos e aliados do próprio Secretário Nacional de Justiça e também de seus assessores mais próximos. Segundo matéria do Estadão, “diálogos e documentos colhidos ao longo da investigação mostram que Tuma Júnior e assessores usaram a secretaria para, por exemplo, agilizar processos de naturalização de estrangeiros ilegais e obter na PF a emissão a jato de passaportes para atender pedidos que chegavam diariamente por telefone”. Inquérito policial também apontou provável lobby do próprio Tuma Júnior para a aprovação de um pedido de indenização em favor do pai de um dos seus assessores.6

    Outras gravações revelam que Romeu Tuma Júnior, então presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria do governo Lula, mantinha contatos com Li Kwok Kwen, o chinês apontado como controlador do contrabando de produtos piratas na região da Rua 25 de Março, na capital paulista, acusado em inquérito de chefiar a máfia chinesa no Estado. Li foi preso com mais 13 pessoas, sob acusação de comandar quadrilha especializada no contrabando de telefones celulares falsificados. Tuma Júnior demonstra ter negócios com Li já que dividiu um quarto de hotel e comprou vídeojogos.7

    Resultado das investigações

    Foi inocentado em diversos inquéritos de todas as acusações.8

    Referências

    Delegado aposentado Romeu Tuma Júnior fala das manifestações passivas

     

     

     

     

     

     

    Facebook Plugins