Advogado de Roberto Carlos defende cantor em meio a polêmica: 'Ele come carne'

    0
    555

    A polêmica campanha estrelada por Roberto Carlos para a Friboi ganhou mais um capítulo com a defesa do advogado do cantor, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. Em entrevista ao jornal ‘O Globo’ deste domingo (2), ele rebateu as crítcas do cineasta brasileiro Fernando Meirelles, que chegou a alfinetar o artista por ele não ter tocado na carne durante o comercial. ‘Continua Veggie sempre como foi’, disse Meirelles.

    Em rebate aos comentários do diretor de cinema, Kakay disse que a informação é ‘completamente inverídica’. O advogado também contou que teve acesso ao contrato de Roberto com a empresa de frigorífico e garantiu que Roberto voltou a comer carne.

    ‘Estive com Roberto na semana retrasada, no navio aqui no Rio, e ali fiquei sabendo do contrato. Ele voltou a comer carne há um ano e a Friboi o procurou exatamente por isso. O que estão dizendo é completamente inverídico’, declarou.

    Ainda sobre as críticas de Fernando Meirelles, Kakay resolveu levar o nome Jayme Monjardim para a discussão. ‘Roberto fez o que o diretor do anúncio mandou fazer. Fala para o Fernando criticar o diretor do anúncio e não o Roberto. O diretor era o Jayme Monjardim’, diz o advogado. Lembando que Jayme também foi responsável por dirigir shows de Roberto no Brasil e em Jerusalém, além de comandar a direção geral da novela ‘Em Família’, da Globo.

    Procurada por Purepeople no último dia 28, a empresa JBS responsável pela marca Friboi rebateu as críticas por meio de nota à imprensa.

    ‘O comercial de TV com o cantor Roberto Carlos é uma representação simbólica da parceria com a Friboi. Reforçamos que opção de voltar a comer carne já havia sido expressada pelo cantor anos antes deste anúncio’, diz o comunicado.

    Roberto foi o escolhido para substituir Tony Ramos, que estrelou a primeira camapanha da Friboi, e agora faz apenas a narração na propaganda. O comercial com o cantor recebeu muitas críicas de internautas e a página de comentários do vídeo no YouTube sobre o filme publicitário chegou a ser bloqueada.