Ministro quer que investimentos em defesa cheguem a 2% do PIB em uma década

    0
    488

    Ministro quer que investimentos em defesa cheguem a 2% do PIB em uma década

    Celso Amorim participou hoje de seminário na Câmara sobre projetos estratégicos das Forças Armadas.

    Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados
    Seminário – Os Projetos Estratégicos das Forças Armadas: contribuição ao desenvolvimento nacional. Ministro da Defesa, Celso Amorim
    Amorim: mesmo sem inimigos declarados, Brasil tem de se precaver contra possíveis ameaças à soberania.

    O ministro da Defesa, Celso Amorim, disse nesta terça-feira (6), em seminário promovido pela Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, que o Brasil tem elevado seus investimentos em defesa, mas eles têm permanecido em 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB). O objetivo, segundo ele, é aumentar esse número para 2% em dez anos. A média mundial é de 2,6%.

    Os investimentos no setor passaram de R$ 900 milhões em 2003 para R$ 8,9 bilhões em 2013. Celso Amorim destacou que o País não tem inimigos declarados, mas não está livre de conflitos bélicos.

    “O Brasil é uma potência nas áreas alimentar, ambiental e energética. São nesses segmentos em que a escassez de recursos, face à crescente demanda mundial, pode gerar crise como reconhecem estudos feitos por entidades conceituadas de diversas nações. Temos assim que nos precaver contra possíveis ameaças aos nossos recursos e à nossa soberania”, declarou.

    Estratégias
    No seminário, os convidados foram unânimes em afirmar que é necessário ter recursos estáveis para a defesa nacional. Ou seja, evitar os grandes cortes orçamentários como o que ocorreu neste ano. Celso Amorim explicou que, além do aumento dos recursos, o setor se beneficiaria do aumento do poder de compra de outros órgãos como as empresas estatais, que também têm interesse em defesa cibernética. Ele ainda explicou que é preciso aumentar a cooperação internacional e a exportação de produtos de defesa.

    Desde 2008, com a elaboração da Estratégia de Defesa Nacional, o País vem ampliando a pesquisa e a produção de equipamentos de defesa, e já existem 48 empresas certificadas como estratégicas. Elas recebem incentivos fiscais estabelecidos pelo Regime Especial Tributário para a Indústria de Defesa (Retidi).

    Durante o debate, o major-brigadeiro-do-ar José Euclides Gonçalves solicitou ao governo que seja ampliado ou eliminado o prazo final do Retidi, que vence em março de 2017. Gonçalves lembrou que os investimentos no setor são intensivos, caros e de longo prazo.

    Pessoal
    O pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) Ronaldo Carmona salientou que o Brasil já tem pessoal qualificado para a pesquisa científica de ponta que o setor exige. Ele lembrou que foi a pesquisa militar mundial que criou a internet e o GPS. E defendeu a participação do governo em algumas empresas: “Ainda será necessário escolher companhias nacionais que devem contar com participação do Estado no seu capital acionário e conselho de administração. Estratégia já definida pela legislação, mas pendente de implementação”.

    Carmona acrescentou que o Executivo vem atuando de maneira correta, porém criticou o fato de o País ter metas para a inflação e não para o crescimento econômico. Ele defendeu uma “reindustrialização”, que poderia ser puxada inclusive pela indústria militar.

    O presidente da Comissão de Relações Exteriores, deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG), informou que nesta quarta-feira (7) será criada subcomissão que vai tratar das remunerações do pessoal das Forças Armadas.

    Facebook Plugins

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.