Guarulhos-Noticias/Gng Guarulhos-Noticias/Gng Gru Guarulhos Home GnG Gru Guarulhos Foi aprovado projeto que criminaliza denúncia falsa contra candidato

Foi aprovado projeto que criminaliza denúncia falsa contra candidato

Deputados aprovam projeto que criminaliza denúncia falsa contra candidato

Quem acusar o candidato sabendo que ele é inocente pode pegar até oito anos de reclusão.

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Discussão do PL 1978/2011, que tipifica o crime de denunciação caluniosa com finalidade eleitoral
Plenário: aprovação do crime de denúncia falsa contra candidato e adiamento do acordo sobre visto com o Irã.

O Plenário aprovou nesta quinta-feira (8) proposta que tipifica o crime de denúncia caluniosa com finalidade eleitoral. O texto aprovado modifica o Código Eleitoral (Lei 4.737/65) para punir com reclusão de dois a oito anos, além de multa, quem acusar injustamente um candidato a cargo eleitoral de prática de crime ou ato infracional. A matéria segue para o Senado.

A punição vale para quem fizer a acusação sabendo que a vítima é inocente e quando for identificada a finalidade eleitoral da acusação. Ainda segundo a proposta, será submetido a mesma punição quem, “comprovadamente ciente da inocência do denunciado e com finalidade eleitoral”, divulgar o fato falso por qualquer meio ou forma. Foi aprovado projeto que criminaliza denúncia falsa contra candidato

Foi aprovado o substitutivo do deputado Mendonça Filho (DEM-PE) ao Projeto de Lei 1978/11, do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA). A proposta original alterava o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) e previa detenção de quatro a doze anos para os mesmos crimes.

Para o relator, no entanto, a alteração do Código Penal “não seria o melhor caminho”, uma vez que a proposta pretende penalizar a denunciação caluniosa no âmbito das campanhas eleitorais.

Brasil x Irã
A pedido do PSDB, os líderes decidiram por acordo retirar de pauta o Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 1411/13, que ratifica acordo firmado entre Brasil e Irã sobre isenção de visto em passaportes diplomáticos.

TAGS: