Índia prende médico por morte de mulheres esterilizadas

    0
    591

    A polícia indiana prendeu o cirurgião que esterilizou no sábado passado

    13 Nov 2014

     Mais de 80 mulheres na região central do país, um programa que terminou com 13 mortas e várias pacientes internadas por complicações.

    Índia prende médico por morte de mulheres esterilizadas

    R.K Gupta foi detido na quarta-feira no estado de Chhattisgarh para um interrogatório, anunciou o chefe de polícia Pawan Deo.

    Índia prende médico por morte de mulheres esterilizadas

    O médico esterilizou em apenas cinco horas 83 mulheres, que receberam 1.400 rupias (23 dólares) cada uma, como parte de um plano de esterilização do governo para controlar a demografia do país.

    O médico será apresentado a um tribunal e a polícia pretende apreender o material utilizado nas cirurgias, já que existe a possibilidade de que estivesse infectado.

    O médico afirmou que o governo o pressionou para realizar as operações em série e atribuiu as mortes aos medicamentos administrados.

    Índia prende médico por morte de mulheres esterilizadas

    “Não é minha culpa, a administração me pressionou para que cumprisse os objetivos”, disse Gupta, segundo o canal NDTV.

    “As operações transcorreram bem, o problema foi provocado pelos medicamentos administrados às mulheres”, afirmou.

    Índia prende médico por morte de mulheres esterilizadas

    O governo de Chhattisgarh proibiu a venda de seis medicamentos pelo temor de que estariam fora das normas de uso, informou a agência Press Trust of India.

    A esterilização é um dos métodos mais aplicados de planejamento familiar na Índia, onde muitos estados adotam a medida de forma expressiva, sobretudo com as mulheres das áreas rurais, que em tese são voluntárias mas geralmente estão desinformadas, segundo as ONGs.

    As vítimas sofreram vômitos e uma forte queda de pressão após a esterilização por laparoscopia.

    O governo regional suspendeu quatro diretores da secretaria de Saúde e abriu uma investigação. Na quarta-feira, os moradores protestaram nas ruas da capital do estado, Raipur, para pedir a renúncia do governador.

    [contact-form-7 id=”6786″ title=”Gazeta GnG”]

     

     

     

     

    O médico afirmou que o governo o pressionou para realizar as operações em série e atribuiu as mortes aos medicamentos administrados.

    “Não é minha culpa, a administração me pressionou para que cumprisse os objetivos”, disse Gupta, segundo o canal NDTV.

    “As operações transcorreram bem, o problema foi provocado pelos medicamentos administrados às mulheres”, afirmou.

    O governo de Chhattisgarh proibiu a venda de seis medicamentos pelo temor de que estariam fora das normas de uso, informou a agência Press Trust of India.

    A esterilização é um dos métodos mais aplicados de planejamento familiar na Índia, onde muitos estados adotam a medida de forma expressiva, sobretudo com as mulheres das áreas rurais, que em tese são voluntárias mas geralmente estão desinformadas, segundo as ONGs.

    As vítimas sofreram vômitos e uma forte queda de pressão após a esterilização por laparoscopia.

    O governo regional suspendeu quatro diretores da secretaria de Saúde e abriu uma investigação. Na quarta-feira, os moradores protestaram nas ruas da capital do estado, Raipur, para pedir a renúncia do governador.

    Facebook Plugins

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.