Guarulhos-Noticias/Gng Guarulhos-Noticias/Gng Gru Guarulhos Home GnG Gru Guarulhos Destaque Gru Guarulhos Nesse dia da Independência, estamos há apenas três anos do Brasil completar 200 anos como estado nacional, e a Gazeta News de Guarulhos te apresenta um balanço semanal um tanto quanto… diferente!
Nesse dia da Independência, estamos há apenas três anos do Brasil completar 200 anos como estado nacional, e a Gazeta News de Guarulhos te apresenta um balanço semanal um tanto quanto... diferente!

Nesse dia da Independência, estamos há apenas três anos do Brasil completar 200 anos como estado nacional, e a Gazeta News de Guarulhos te apresenta um balanço semanal um tanto quanto… diferente!

Nesse dia da Independência, estamos há apenas três anos do Brasil completar 200 anos como estado nacional, e a Gazeta News de Guarulhos te apresenta um balanço semanal um tanto quanto... diferente!
Nesse dia da Independência, estamos há apenas três anos do Brasil completar 200 anos como estado nacional, e a Gazeta News de Guarulhos te apresenta um balanço semanal um tanto quanto… diferente!

Fontes: G1 e Arquivo Pessoal Guilherme Conde

Nesse dia da Independência, estamos há apenas três anos do Brasil completar 200 anos como estado nacional, e a Gazeta News de Guarulhos te apresenta um balanço semanal um tanto quanto… diferente!
 
 
O Brasil não começou em abril. Começou em setembro. E não foi em 1500. Foi em 1822. Não foi em Porto Seguro, na Bahia. Foi no Ipiranga, Zona Centro-Sul de São Paulo. Não foi com Pedro Álvares Cabral. Foi com o Príncipe-Regente Dom Pedro 6º, que deixou de ser Príncipe-Regente e ser o 6º, para ser o primeiro chefe de estado brasilero, como o imperador Dom Pedro 1º.
 
Hoje
 
Não estamos mais em um império, e sim em uma república, desde novembro de 1888. República essa que está dividida, entre esquerda – que governou o país de 2003 a 2018 – e direita – que venceu as últimas eleições gerais.
 
Na primeira Semana da Pátria do pernambucano Luiz Inácio Lula da Silva enquanto presidente da república, em 2003, não houve muitas notícias relevantes. Já a primeira Semana da Pátria do campineiro Jair Messias Bolsonaro como presidente da república, bom…
 
A Semana do Presidente
 
– Segunda (02): O presidente Jair Bolsonaro conversou com o ministro da Economia Paulo Guedes sobre as declarações do presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que disse à revista “Veja” ter recebido “pedidos não republicanos” de Carlos da Costa, secretário especial de Produtividade e Emprego do ministério chefiado por Guedes.
 
Em entrevista, disse que vai para Nova York “nem que seja de cadeira de rodas ou de maca” para a Assembleia Geral das Nações Unidas no dia 20. Bolsonaro vai fazer uma cirugia no domingo (08/09). Na mesma segunda, o Instituto Datafolha, vinculada ao jornal “Folha de São Paulo”, divulgou uma pesquisa onde o presidente teve seu governo avaliado como ruim/péssimo por 38% dos entrevistados, crescimento de 5% dos últimos dados levantados em julho.
 
– Terça (03): Bolsonaro afirmou que o projeto que define o crime de abuso de autoridade poderia ter 20 vetos. O presidente não especificou quais seriam, mas disse que aceitou sugestões do ministro da Justiça, o ex-juiz Sérgio Moro.
 
– Quarta (04): Após comentário da Comissária das Nações Unidas para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, que foi ex-presidente do Chile, o presidente Bolsonaro elogiou o governo de Augusto Pinochet, ditador que governou o Chile de 1973 a 1990.
 
Além de elogiar Pinochet – que sob seu governo, 3 mil pessoas morreram, Bolsonaro lembrou que o Brigadeiro Alberto Bachelet, pai da ex-presidente que foi torturado e morto, foi derrotado para que o país sul-americano “não virasse uma Cuba”.
 
Isso fez que o presidente chileno, Sebastián Piñera, se pronunciasse para discordar do colega brasileiro.
 
– Quinta (05): Bolsonaro escolhe o novo procurador-geral da república, Augusto Aras. Contrariando os últimos três presidentes da república, Aras não estava na lista tríplice indicada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), que fora respeitada por Lula, Dilma e Temer.
 
O presidente também assinou a lei sobre abuso de autoridade após 36 vetos.
 
– Sexta (06): Um dia antes do feriado, Bolsonaro anuncia uma carteira nacional do estudante emitida digitalmente e de forma gratuita.
 
O presidente afirmou que a Medida Provisória que autoriza a emissão da carteira é uma “bomba” e que faz com que “certas pessoas promovam o socialismo nas universidades”.