Guarulhos-Noticias/Gng Guarulhos-Noticias/Gng Gru Guarulhos Home GnG Gru Guarulhos Destaque Gru Guarulhos Como estão as condições de vida da população negra no Brasil?
Como estão as condições de vida da população negra no Brasil?

Como estão as condições de vida da população negra no Brasil?

 
De 2 a 10 de outubro, ciclo de debates na Faculdade de Saúde Pública da USP reúne cientistas e artistas para discutir o tema
 
Dia de falar das condições, da situação e da produção negra do Brasil não é só em novembro. É todo dia. O Outubro Negro na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, em São Paulo, chega com essa provocação a sua segunda edição com apresentações culturais e mesas que abordam a contribuição científica e a saúde dos negros, respondendo a uma demanda dos próprios alunos por um maior contato com o tema. Os encontros vão durar três semanas, que começam no dia 2 e vão até 30 de outubro.
 
“Os corpos negros estão na academia e têm fome. Fome de conhecimento e pertencimento”, conta Amanda de Jesus, mestranda da FSP e integrante do Coletivo Negro Carolina Maria de Jesus que organiza o ciclo. “É uma cobrança. Precisamos tratar a saúde negra nas discussões, fazer o recorte dos negros à frente das pesquisas. E indo além da academia.”
 
Serão três datas com atividades gratuitas no Auditório Paula Souza. No dia 2, o grupo Baterekê faz uma intervenção artística através de elementos afro-brasileiros. Depois, a discussão sobre a violência do Estado e a relação com a saúde negra começa com Débora Maria, do Mães de Maio. O coletivo é formado por mães que perderam seus filhos em ações da polícia, principalmente nas operações de maio de 2006 que mataram 564 pessoas, e lutam por justiça. A deputada estadual Mônica Seixas está entre as participantes.
 
“Essa violência do Estado é o racismo estrutural. Vamos analisar como isso influencia na saúde mental e integral e o atual cenário que vivemos”, conta Amanda.
 
O rap também tem seu espaço. No dia 16, a pesquisadora de análise do discurso e raça, racismo e gênero, Yanelis Abreu, faz uma oficina sobre a identidade e resistência envolvendo letras do ritmo. Em seguida, o tema é saúde mental e a relação com racismo.
 
.
 
 
Integrantes do coletivo negro da FSP em evento anterior – Foto: Arquivo/ Coletivo Negro Carolina Maria de Jesus|
.
 
“Estarão o Emiliano de Camargo, do Instituto AMMA Psique e Negritude, e João Américo, da Aliança Pró-Saúde da População Negra. Essa mesa é também para entender como esses dois grupos em que eles trabalham estão atuando nessa questão e ver como isso circula na população”, explica Amanda.
 
No último dia, 30 de setembro, uma homenagem com poesia para quem abriu caminho. O sarau Jongando faz sua intervenção com a Comunidade Cultural Quilombaque. Após a apresentação, será a voz de Maria Inês Silva Barbosa. Em seu doutorado em 1998, ela desenvolveu tese sobre racismo e saúde, sendo uma das pioneiras na pesquisa racial na Faculdade de Saúde Pública. Atualmente, ela é professora na Universidade Federal de Mato Grosso.
 
Amanda, que atualmente faz mestrado sobre a influência da raça e da cor na condição nutricional e socioeconômica de famílias, não esconde a satisfação por ter uma referência ali. “É para reverenciar os mais velhos. Ela foi uma das primeiras a fazer uma tese assim na FSP da USP, em outra época, mais complicada. Queremos entender um pouco desse processo também.”
 
Para participar, basta se inscrever preenchendo o formulário. A organização é feita pelo Departamento de Saúde, Ciclo de Vida e Sociedade e pelo Coletivo Negro Carolina Maria de Jesus da FSP, com apoio da Comissão de Cultura e Extensão Universitária.
 
 
“Você tem fome de quê?”.
 
Discussões na primeira edição do Outubro Negro, em 2018. Em destaque, com o microfone, a professora e organizadora Érica Peçanha – Foto: Arquivo / Coletivo Negro Carolina Maria de Jesus
A primeira edição do Outubro Negro surgiu em resposta à falta de abordagem de pessoas pretas nas pesquisas e na história da FSP, que completou 100 anos em 2018. Junto com a professora Érica Peçanha — atualmente envolvida no Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP — o coletivo organizou o ciclo para “torná-los pertencentes e para lembrar que a luta anti-racista é o ano todo”, como diz Amanda.
 
“Tivemos um saldo muito positivo nessa primeira vez. Muitos não sabiam sobre essas discussões. E compareceu um público bem abrangente. Logo depois, criamos um melhor contato com os professores para a organização.”
 
E o próprio coletivo nasceu no contexto entre cultura e saúde, assim como o evento. Em 2016, no dia 16 de outubro, um grupo de alunos fez um sarau chamado Pedaços de Fome, livro da escritora negra e periférica Carolina Maria de Jesus. A data é conhecida mundialmente pelas discussões sobre alimentação.
 
Dias depois, o grupo se reuniu e formou o coletivo de alunos. Atualmente, o movimento faz parcerias com outros coletivos negros da USP para abrigar outras pautas, como a inclusão de cotas na pós-graduação de cursos.
 
A Faculdade de Saúde Pública está localizada na Av. Dr. Arnaldo, 715, Cerqueira César, São Paulo, próximo à Estação Clínicas do Metrô.
 
.Escritora que dá nome ao coletivo na FSP da USP, Carolina Maria de Jesus – Foto: Domínio Público/ Acervo Arquivo Nacional