Dia do Cinema Brasileiro: produções nacionais tiveram menor público no ano passado

Ads

Por Colégio Seriös (Brasília)

De acordo com a Ancine, os espectadores diminuíram o consumo de filmes brasileiros. Entretanto, levantamento aponta a relevância da sétima arte para a população

Brasília, 15 de junho de 2021 – No próximo sábado (19), celebraremos o Dia do Cinema Brasileiro. A data foi instituída com o objetivo de valorizar a cultura do nosso país. A sétima arte tem se destacado em território nacional, o que motiva milhões de artistas que buscam oportunidades neste mercado.

Em 2019, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) informou que a cinematografia, no Brasil, cresceu, teve mais espectadores e arrecadações quando comparada ao ano anterior. Entretanto, para produções nacionais, houve a diminuição do público, passando de 22,9 milhões para 22,6 milhões. Ainda assim, os dados destacam a relevância das “telonas” para o dia a dia dos brasileiros.

Há seis anos, as artes visuais foram consideradas disciplinas obrigatórias da educação básica. Por meio da Lei 13.278/16, todas as instituições de ensino tiveram que alterar as suas grades curriculares para atender a mudança. Com isso, o Teatro passou a integrar a rotina dos estudantes, o que permitiu maior compreensão acerca do cinema como um todo.

Para Larissa Calixto, professora de Teatro do Colégio Seriös, a data comemorativa da sétima arte tem a sua importância por ser mais um instrumento de aproximação dos alunos com o cinema nacional.

ADS

“Por meio da celebração, as crianças e jovens podem compreender como iniciou a produção cinematográfica no Brasil. Isso possibilita que eles conheçam a produção brasileira de filmes, valorizando o patrimônio cultural nacional, assim como é previsto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC)”, comenta.

Por ser uma disciplina mais aberta, os professores possuem a liberdade de explorar os temas de formas diferentes. No Seriös, por exemplo, aspectos como o trabalho dos atores, os momentos de olhar para a câmera e a história geral da arte são conceitos fundamentais para serem aplicados. Além disso, a professora informa que a matéria visa abordar como o cinema mudou a vida do ser humano. Nesse ponto, os marcos e desenvolvimento do país, a partir da cinematografia, são apresentados para os estudantes.

Um exemplo recente dado pela instituição envolve os alunos de uma turma da Educação Infantil. A disciplina levou o conhecimento sobre os irmãos Lumière, que revolucionaram a sétima arte no fim do século XIX, com um desfile simulando o Oscar, a cerimônia de premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

“Encenar faz com que os alunos entendam melhor o conteúdo. Eles vão, efetivamente, se lembrar do que foi ensinado. De certa forma, é possível vivenciar o conteúdo de modo prático e divertido. A matéria deixa de ser uma história contada e passa a ser uma experiência”, informa Larissa.

Valorização

Em 2018, o Brasil lançou 171 filmes nacionais. O valor foi bem recebido pelo Plano Nacional de Cultura (PNC), que buscava incentivar a produção de 150 filmes por ano. A ideia foi implementada pelo governo federal em 2010 e tinha prazo para ser realizado até o ano passado. O dado representa um crescimento de 131% em relação a 2010, quando foram lançados 74 filmes.

A busca por incentivar o crescimento de produções – e principalmente de público – em filmes nacionais tem sido um debate frequente. Para a professora do Seriös, a internet aproximou o espectador do cinema brasileiro. Contudo, a população ainda está presa a gêneros específicos, como o da comédia. Isso implica na diminuição do consumo de outros temas e limita a capacidade dos atores se desenvolverem no ramo.

“Os filmes brasileiros não são tão valorizados como os estrangeiros. Talvez, por não serem tão comerciais ou por não ter um orçamento tão grande. A falta da cultura de investimento nas produções nacionais também é um fator que está atrelado a esse problema”, lamenta Larissa.

Para mudar esse cenário, a professora informa que é necessário estimular a nova geração a se conectar à própria cultura cinematográfica.

“Isso pode ser feito com um simples ato de apresentar filmes brasileiros para crianças e adolescentes. Explicar conceitos e contextos também é vantajoso, pois faz com que eles tenham conhecimento do nosso potencial. Nas escolas, é importante escutá-los, promover e mediar a reflexão crítica para construir a valorização do patrimônio cultural nacional”, aconselha.

ADS

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.