//‘Espero que o presidente não tenha decretado calamidade por nada’, diz Maia
‘Espero que o presidente não tenha decretado calamidade por nada’, diz Maia

‘Espero que o presidente não tenha decretado calamidade por nada’, diz Maia

Share this:

Bolsonaro minimizou pandemia   Deputado cita pressão do mercado

‘Espero que o presidente não tenha decretado calamidade por nada’, diz Maia
‘Espero que o presidente não tenha decretado calamidade por nada’, diz Maia

22:07:25

Fonte: poder360.

CAIO SPECHOTO
25.mar.2020 (quarta-feira) – 20h29
atualizado: 25.mar.2020 (quarta-feira) – 22h08

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou nesta 4ª feira (25.mar.2020) a manifestar insatisfação com a postura do presidente Jair Bolsonaro no combate ao coronavírus. “Espero que o presidente não tenha decretado calamidade pública por nada”, disse o deputado.

Em pronunciamento em rede nacional de televisão na noite desta 3ª feira (24.mar.2020), Bolsonaro minimizou a pandemia. Na manhã desta 4ª, o presidente da República reforçou suas palavras e ainda disse que a forma de lidar com o avanço da doença poderia ameaçar a normalidade democrática.

 

Maia disse que os governadores, com os quais se reunira mais cedo, estão seguindo as orientações do governo federal, que pediu o decreto de calamidade pública. A calamidade é necessária para o governo não precisar cumprir a meta fiscal e conseguir mais recursos para combater a pandemia.

Rodrigo Maia sugeriu que as afirmações do presidente Jair Bolsonaro em favor do afrouxamento do isolamento social para reduzir os impactos econômicos da pandemia podem ser motivadas por pressão do mercado.

Investidores preocupados com suas perdas querem impor ao Brasil uma realidade que não está acontecendo em nenhum país do mundo”, disse Maia. Nas últimas semanas o mercado financeiro esteve em pânico. A Bolsa de São Paulo interrompeu seus negócios diversas vezes para minimizar as perdas.

O presidente da Câmara afastou a possibilidade de cassação do mandato de Bolsonaro. Segundo ele, não há motivo. A opinião de Maia sobre o assunto é importante: ele tem a prerrogativa, como presidente da Câmara, de aceitar o início de processos de impeachment contra o presidente da República.

Rodrigo Maia também afirmou que o Plano Mansueto pode estar pronto para plenário na próxima semana. Também disse que falta acordo sobre duas propostas que ganharam notoriedade: o auxílio a trabalhadores informais impedidos de trabalhar pelo isolamento do coronavírus (falta definir o valor) e a redução de salários de servidores públicos durante a crise (os percentuais de diminuição precisam ser negociados).

A Câmara faz nesta 4ª feira (25.mar.2020) sua 1ª sessão remota. Maia e os líderes vão ao plenário, mas os demais deputados participam de casa. A medida é uma forma de impedir aglomerações na Casa, que favoreceriam a proliferação do vírus.