Letalidade policial cai com aumento da adoção de câmeras corporais

Letalidade policial cai com aumento da adoção de câmeras corporais
Letalidade policial cai com aumento da adoção de câmeras corporais
Ads

10:12

  • Em São Paulo, queda foi de 45%
  • Já em Santa Catarina, letalidade policial caiu 19%
  • Uma diretriz nacional está sendo elaborada pelo Consesp

Desde que adotou o uso de câmeras corporais por policiais, São Paulo observou uma queda significativa na letalidade das ações dos agentes. Este é um dos três estados, junto com Santa Catarina e Rondônia, que usam o equipamento de forma permanente no Brasil. Por hora, outras nove unidades federativas fazem testes com as câmeras.

O sucesso dos estados que adotaram as câmeras incentiva outros a buscarem a tecnologia. Só Acre e Sergipe declararam que não pretendem adotar o equipamento.

No entanto, o Colégio Nacional de Secretários de Segurança (Consesp) está elaborando uma diretriz que pode incentivar ainda mais a adoção. O grupo, formado por gestores de todos os estados, finalizou, neste mês, uma minuta de um procedimento padrão sobre o uso das câmeras a ser adotado em todo o país.

O objetivo do uso das câmeras corporais por policiais é monitorar a interação com cidadãos e garantir que se cumpra a lei, de forma a reduzir casos de violência policial. O equipamento também tem servido para produção de provas a partir de ocorrências, além de inocentar agentes que tiveram posturas corretas em ações.

ADS

No estado de São Paulo, o uso das câmeras, aliadas a outras medidas, levou à redução de 45,1% das mortes em confronto policial.

Em São Paulo, em novembro de 2021, as câmeras nas fardas de policiais flagraram a execução de um jovem, desarmado e rendido, acusado de roubo no interior do estado. O equipamento também comprovou a alteração da cena do crime pelos agentes, mesmo com a tentativa de obstruir as câmeras.

Em outro caso, também em novembro na capital paulista, a câmera de um policial o inocentou no caso de uma morte durante uma abordagem. As imagens revelaram que a vítima portava uma arma.

Expansão do uso em São Paulo

Com o sucesso, o estado de São Paulo vai receber 7 mil novas câmeras, chegando a 9,5 mil. As primeiras 2,5 mil câmeras portáteis do estado foram entregues a 18 batalhões de policiais militares, de forma a cobrir as áreas consideradas mais relevantes para a segurança pública. Foram atendidos a Rota, batalhões da capital e Batalhões de Ações Especiais de Polícia (Baep) de São José dos Campos, Campinas e Santos. O uso foi estabelecido em junho do ano passado.

O sistema inclui câmeras, roteadores, planos de dados que permitem acesso remoto, transmissão ao vivo e espaço para armazenamento ao custo de R$ 5,5 milhões por mês, ou R$ 786 mensais por câmera. A gravação é feita de forma contínua, de maneira que não podem ser desligadas pelos policiais e são controladas à distância, com transmissão em tempo real.

O registro das imagens diárias dura 90 dias, enquanto casos de flagrante e abordagens críticas ficam guardados por um ano. As gravações está à disposição da Justiça.

Santa Catarina e Rondônia

Em Santa Catarina, o uso das câmeras levou à queda de 19,6% da taxa de mortes em confrontos com as polícias militar e civil, segundo dados da PM. Com isso, o número de mortes por 100 mil habitantes foi de de 1,19 em 2020 para 0,95 no ano passado.

São 2.245 câmeras corporais em uso desde julho de 2019 no estado.

O resultado de Santa Catarina animou Rondônia a triplicar o número de câmeras usadas no estado, chegando 1.250 equipamentos em uso pela PM. Mais 2.500 câmeras estão em processo de compra.

ADS1

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

19 − doze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.