Maracanazo 2.1 (Análise da Final da Copa América 2021)

Ads

ANTES DO JOGO

Sabemos que qualquer assunto vira faísca quando se trata de Brasil e Argentina, certo? Nos últimos meses, não foi diferente.

Vamos lembrar que, a Copa América era pra ser na Argentina e na Colômbia, mas ambos países declinaram, um devido a protestos populares (com direito a gás lacrimogêneo em partida da Libertadores) e o outro, por causa da pandemia.

E o Brasil, aceitou ser (novamente) a sede da competição. Isso não foi bem visto nos outros países vizinhos.

Inclusive, os próprios finalistas cogitaram não participar do torneio.

No entanto, quando a bola tem que rolar, é um abraço, e tudo bem.

BRASIL

Os então campeões e defensores do título passaram pela primeira fase tranquilamente, exceto nas partidas contra a Colômbia e Equador. Contra los cafeteros, o Brasil virou “sob suspeita”, e um empate contra o Equador com uma escalação alternativa.

ADS

Brasil | CONMEBOL Copa América 2021

(foto: CONMEBOL)

Nas fases eliminatórias, magras vitórias contra Chile e Peru, a muito custo. Ao contrário dos rivais do último sábado (10), o Brasil finalizou sua participação sem saber o que era uma decisão nos pênaltis.

ARGENTINA

A seleção albiceleste chegou desacreditada, mas esperançosa. Sim, pode parecer estranho, mas o peso de 28 anos sem títulos oficiais e um vice-campeonato mundial em 2014 na prorrogação já anestesiou boa parte da torcida. Afinal, o torcedor argentino que nasceu nos anos 90, não viu o vice na Copa do Mundo da Itália em 1990 e o (então) título da Copa América de 1993, que tinha Fernando Redondo, Sergio Goycochea, Diego Simeone e o inesquecível Gabriel Batistuta.

Argentina | CONMEBOL Copa América 2021

(foto: CONMEBOL)

Na 1ª fase, os argentinos também passaram tranquilo, com direito à vitória contra os outros rivais – os do outro lado do Rio da Prata – e goleada contra a Bolívia. Nas fases eliminatórias, venceu bem o Equador (3-0) mas demorou pra fazer os gols e a decisão na semifinal contra a Colômbia nos pênaltis, onde brilhou a estrela de Emiliano “Dibu” Martínez, com olhos arregalados e boa pressão psicológica nos colombianos (Para os mais velhos, lembrou Waldir Peres na final do Campeonato Brasileiro de 1977 entre Atlético Mineiro e São Paulo, vencida pelos paulistas).

O JOGO

Se você assistiu a final da Eurocopa ou acompanhou boa parte da Eurocopa, sabe que nenhuma partida da Copa América foi boa.

Nem a final.

O Brasil, em um esquema 4-3-3, com Everton Cebolinha junto com Richarlison e Neymar no ataque e Lucas Paquetá como titular.

No mínimo, estranho. Vamos lembrar que Tite também foi confiante contra a Bélgica em 2018, e foi eliminado mais por decisões técnicas do que por falta de técnica.

Lionel Scaloni, por outro lado, buscava seu primeiro título como treinador. Ao contrário de ex-companheiros de seleção mais badalados, como Maurício Pochettino, Diego Simeone e Hernán Crespo, nunca havia ganho nenhuma taça por clube.

Tivemos um bom início da amarelinha até. Mas, aos 20 minutos, a Argentina conseguiu um lançamento vindo do campo de defesa e contou com uma falha grotesca de acompanhamento do tão elogiado Renan Lodi.

Ángel Di Maria (el fideo), recebeu e olhou Ederson saindo do gol, e colocou por cima.

Fim da fila: Argentina vence Brasil no Maracanã e conquista Copa América

(foto: Correio Braziliense)

Argentina 1-0.

Depois disso, mais nada. Neymar tentou, Richarlison marcou, mas impedido.

Com uma arbitragem muito fraca do uruguaio Esteban Ostojich, que era pra ter no mínimo, ter dois expulsos pelo lado argentino.

Com gol de Di Maria, Argentina bate Brasil e conquista o título da Copa América

(foto: OCP News)

Mas, eles mostraram o porquê dividem o posto de maiores campeões da América tanto de seleções, como de clubes.

Souberam se defender muito bem. E olha que Lionel Messi errou um gol que ele nunca poderia errar com a camisa do Barcelona.

ALEGRIA PORTEÑA

Sai Zeca Pagodinho, entra Astor Piazzolla.

A Argentina sai da fila de 28 anos no primeiro título após a morte de Diego Armando Maradona, com uma seleção muito abaixo do que foi nas últimas duas copas.

E finalmente, a dupla Messi-Di María venceu algum título pela seleção profissional, eles que foram campeões olímpicos em 2004.

Em grande estilo, Messi finalmente vence seu 1º título pela Argentina

(foto: Metrópoles)

Mereciam demais.

Agora, Uruguai e Argentina possuem 15 Copas América, seguidos pelo Brasil, que estacionou nos 9.

Por fim, as duas seleções demonstraram que precisam melhorar muito se quiserem se classificar para as fases eliminatórias da Copa do Mundo do Catar em 2022.

Pois mesmo a Dinamarca e a República Tcheca, que disputaram as quartas-de-final da Eurocopa, venceriam Brasil e Argentina sem dificuldades.

É esperar pra ver.

Gostou? Fique ligado porque aqui na Gazeta News de Guarulhos, vamos ter mais surpresas para quem gosta de esporte! Aguarde!

ADS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

19 − nove =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.