Militares não comandam a Petrobras desde 1988

Militares não comandam a Petrobras desde 1988
Militares não comandam a Petrobras desde 1988

10:18:58

 Poder 360

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nessa 6ª feira (19.fev.2021) que o general Joaquim Silva e Luna vai substituir Roberto Castello Branco como presidente da Petrobras. A decisão depende ainda de concordância do conselho de administração da companhia, que se reúne na 3ª feira (23.fev).

Se a indicação for confirmada, será a 1ª vez desde 1988 que um militar estará no comando da estatal.

O coronel da reserva da FAB (Força Aérea Brasileira) Ozires Silva deixou a Petrobras em junho de 1988, no governo de José Sarney –que assumiu a presidência depois da morte de Tancredo Neves.

Receba a newsletter do Poder360

Ozires Silva assumiu o comando da estatal em maio de 1986, substituindo o advogado Hélio Beltrão. Na época, o Brasil estava na transição do governo de João Figueiredo, o último presidente do regime militar. Antes de Beltrão, a Petrobras estava sob o comando do capitão de mar e guerra Thelmo Dutra de Rezende.

Com a saída de Ozires Silva, assumiu o engenheiro Armando Guedes Coelho. Desde então, nenhum militar voltou a presidir a estatal.

TROCA DE COMANDO

Castello Branco foi indicado por Paulo Guedes. Seguiu estritamente as orientações do ministro da Economia e a política de preços da Petrobras. Com as pressões recentes vindas de grupos de caminhoneiros, que pressionavam por uma queda no valor do combustível, Bolsonaro ficou incomodado.

O litro do diesel nas refinarias acumula alta 27,72% em 2021 e tem irritado a categoria, que costuma apoiar o presidente.

Para o entorno de Bolsonaro, Castello Branco teria cometido improbidade administrativa por ter “desdenhado” da categoria, que reclamava de aumento do preço do diesel em janeiro, ainda sob a pressão da ameaça de greve.

A gota d’água para a troca foi o reajuste da Petrobras na 5ª feira, de 14,7% no litro do diesel e de 10% na gasolina. Foi o 4º aumento do ano.

Mais cedo, Bolsonaro havia sinalizado mudanças na Petrobras. Sem especificar quais seriam, disse que “jamais” iria interferir na estatal e em “sua política de preço”, mas pediu transparência.

QUEM É SILVA E LUNA

Joaquim Silva e Luna tem 71 anos. Estava desde fevereiro de 2019 no comando da usina de Itaipu. Um dia antes da troca, Bolsonaro elogiou a gestão dele na estatal por causa dos altos investimentos feitos pela companhia.

Antes de Itaipu, Silva e Luna ocupou o cargo de ministro da Defesa no governo de Michel Temer (26.fev.2018-1º.jan.2019). Foi o 1º militar a liderar a pasta desde a redemocratização.

O general tem pós-graduação em Política, Estratégia e Alta Administração do Exército pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Também é pós-graduado, pela Universidade de Brasília, em Projetos e Análise de Sistemas.

Durante a carreira no Exército, Silva e Luna comandou o 6º Batalhão de Engenharia de Construção (1996-1998), em Boa Vista (RR), e a 16ª Brigada de Infantaria de Selva (2002-2004), em Tefé (AM).

Em Brasília, foi diretor de patrimônio (2004-2006), chefe do gabinete do comandante do Exército (2007-2011) e chefe do Estado-Maior do Exército (2011-2014).

Também participou da Missão Militar Brasileira de Instrução no Paraguai e atuou como adido em Israel de 1999 a 2001.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.