Racing é o primeiro clube argentino a reduzir salários em meio à pandemia

Racing é o primeiro clube argentino a reduzir salários em meio à pandemia
Racing é o primeiro clube argentino a reduzir salários em meio à pandemia

Rede Gazeta News Guarulhos

 

8fb4af723e2fedeac139f676734d36075e9d2994AFP/Arquivos / JUAN MABROMATAPara “proteger a renda e garantir a estabilidade e continuidade de todos os trabalhadores da instituição”, o Racing chegou a um acordo para uma redução salarial dos jogadores e da comissão técnica desde abril
22:27:39

O tradicional Racing se tornou o primeiro clube argentino a concordar com uma queda de salário de seus profissionais de futebol, para enfrentar a inatividade total que reina na luta contra a nova pandemia de coronavírus.

Clubes de futebol de todo o mundo, quase completamente paralisado, adotam comportamentos semelhantes, com a redução da remuneração de jogadores, como Lionel Messi (Barcelona) e treinadores, como Diego ‘Cholo’ Simeone (Atlético de Madrid), ambos argentinos.

“No espírito de proteger a renda e garantir a estabilidade e a continuidade de todos os trabalhadores da instituição, o acordo prevê uma redução salarial significativa na renda contratual dos jogadores e da equipe técnica a partir de abril”, afirmou a diretoria do Racing em um comunicado.

A ‘Academia’ é o quarto com 37 títulos, nacionais e internacionais, no ranking dos clubes argentinos de maior sucesso. As últimas conquistas foram a Superliga em 2019 e o campeonato local em 2014.

A aceitação da medida pelo elenco foi transmitida por Lisandro ‘Licha’ López, veterano do ataque, líder da equipe e ídolo da torcida.

Mas em outras instituições parece não haver entendimento e o sindicato do futebol se opõe a baixar os salários daqueles que ganham menos.

“É fundamental respeitar o salário dos jogadores. Falo três vezes ao dia com o pessoal da Federação Argentina de Futebol (AFA) e eles procuram desculpas por uma má administração ou comportamento errado ao fazer o orçamento”, havia alertado o líder do sindicato de futebolistas Sergio Marchi.

“Os fundos que entram no clube não são suficientes para pagar, porque provêm dos sócios, patrocinadores e televisão, mas não sabemos quanto tempo”, disse o presidente do Racing, Víctor Blanco.

Fontes do clube garantem que o ajuste seja generalizado para cerca de 400 funcionários.

Todos os campeonatos estão paralisados e o isolamento social obrigatório prevalece no país, atingindo 90% da população, confinada em suas casas, segundo o governo.

Até agora, a pandemia da COVID-19 já matou 37 pessoas na Argentina, com 1.265 casos de infecção.

O Conselho de Administração do Racing disse que “não apenas eles são gratos, mas também se orgulham do gesto de solidariedade de nossa equipe profissional e técnica com a instituição e também com trabalhadores em particular”.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.