Sabesp afirma que não há outro local na cidade “que atenda necessidades legais e técnicas”

Sabesp afirma que não outro local na cidade “que atenda necessidades legais e técnicas”
Sabesp afirma que não outro local na cidade “que atenda necessidades legais e técnicas”
Ads

23:21:11

Em nota à redação do Gazeta News Guarulhos, a Sabesp responde: “A Sabesp informa que o bairro Ponte Grande, em Guarulhos, receberá uma unidade de recuperação da qualidade da água (UR), que terá a função de retirar o esgoto que chega à água do córrego local e assim contribuir para a despoluição do curso d’água. A UR é diferente de uma estação de tratamento de esgoto, já que recupera a água no próprio córrego, com uma concentração de impurezas seis vezes menor do que o esgoto que chega a uma ETE (Estação de Tratamento de Esgoto). A estrutura da UR é utilizada em bairros ou comunidades onde a ocupação de imóveis impede a implantação da rede tradicional de coleta de esgoto.
O equipamento vai contribuir diretamente com a qualidade de vida de cerca de 600 mil moradores e com o meio ambiente de Guarulhos, graças à requalificação da área degradada, à redução do odor, à possibilidade de vida aquática no curso d’água e à redução de doenças de veiculação hídrica, entre outros benefícios. As vantagens, no entanto, estendem-se a toda a Região Metropolitana de São Paulo ao evitar que o esgoto da região da Ponte Grande chegue ao rio Tietê.
Assim que a implantação da UR for autorizada pelo município e pelos órgãos ambientais, a Sabesp terá 12 meses para instalar e iniciar o funcionamento o equipamento. O investimento será de R$ 68 milhões. É importante destacar que as 600 mil pessoas beneficiadas diretamente pela UR equivalem à soma da população dos municípios de Arujá, Poá, Salesópolis e Suzano ou ainda a todo o estado de Roraima.
Os estudos para escolha do espaço mais adequado para a implantação da UR foram realizados entre 2020 e 2021. Por se tratar da bacia dos rios da região central do município, não há outro local que atenda às necessidades legais e técnicas para a finalidade de recuperar a água do canal totalmente poluído na região.
Em relação à ocupação do espaço já existente na área, será necessário para a UR o uso do campo de futebol, os demais equipamentos serão mantidos. A prefeitura se comprometeu a implantar outro campo na região em 2022”.

ADS

1 COMENTÁRIO

  1. Todos os obstáculos legais que a SABESP alega ter para a construção da URQ em outros locais, são facilmente absorvidos respeitando suas imposições, como por exemplo; A compensação ambiental, que pode ser o manejo, replantio e a manutenção da vegetação alterada. Ocorre que isso leva tempo e encarece o projeto, o que não justifica obrigar a população pagar essa conta entregando seu espaço de laser, sua paz e metade do valor dos seus imóveis.
    Além disso, a prefeitura precisa respeitar uma TAC, Termo de Ajustamento de Conduta, em outras palavras, é uma advertência com prazo, se não cumprido o prazo alguém será responsabilizado, nesse caso o prefeito. Nós Guarulhenses não merecemos um projeto, paliativo, feito às pressas, para atender uma demanda gerada pela própria administração.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

cinco × 5 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.